Terça-feira
28 de Junho de 2022 - 

Consulte Os Seus Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico
Usuário
Senha

Notícias

Parcerias com universidades aumentam capilaridade do combate à desinformação sobre o STF

No terceiro e último painel das rodadas de conversa com parceiros do Programa de Combate à Desinformação no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quinta-feira (19), representantes de universidades estaduais e federais apresentaram projetos de suas instituições para a disseminação de informações verdadeiras. Eles compartilharam ideias, desafios e sugestões na criação de um grupo de trabalho interdisciplinar que auxiliará a Corte a fortalecer a democracia brasileira, a partir da organização de ações no âmbito da pesquisa e da extensão sobre o tema.Adequação da linguagemUm dos pontos destacados pelos professores foi a adequação da linguagem na transmissão de informações, de acordo com a realidade de diferentes interlocutores e mídias, tendo em vista os persos contextos sociais da população brasileira. Foram citados desde a utilização de rádios comunitárias e folhetos – direcionados a quem não têm acesso às redes sociais - até as publicações de vídeos no TikTok, bem como a produção de conteúdos específicos para crianças, adolescentes e jovens.InteraçãoDurante as exposições, foram apresentadas pesquisas sobre análise do comportamento aplicada à desinformação e preocupações com a checagem de notícias jornalísticas. Também foram compartilhados desafios de combate à desinformação sobre a vacina em aldeias indígenas e relacionados à xenofobia contra imigrantes venezuelanos. Também surgiram propostas, como a adoção de conversas periódicas e, eventualmente, presenciais para a aplicação prática das ideias, além de sugestão para a interação entre os parceiros e suas persas áreas do conhecimento.Parceiras estratégicasSegundo o secretário de Altos Estudos do STF Alexandre Freire, integrante do Comitê Gestor do programa e que mediou o painel, as parcerias estratégicas com as universidades ajudam a sociedade a entender melhor o papel do Supremo como guardião da Constituição. “O objetivo dessa rodada é conversar com as instituições parceiras sobre a contribuição que a academia pode trazer para o fenômeno da desinformação”, destacou, observando que os participantes podem identificar seus impactos e apresentar possíveis soluções inovadoras.AlcanceResponsável pela execução das ações do programa, a secretária de Comunicação do STF, Mariana Oliveira, afirmou que as universidades são as parceiras mais importantes desse projeto, porque têm uma capilaridade que o Supremo não tem. “O STF é um tribunal que está em Brasília, e temos um corpo de servidores pequeno”, explicou, ao comparar com a situação do Tribunal Superior Eleitoral, que tem o auxílio dos Tribunais Regionais Eleitorais em todo o país.Coluna sobre desinformaçãoSegundo a secretária, a união de startups, com ferramentas tecnológicas, e as universidades, com as pesquisas, ajudará o desenvolvimento do trabalho. Mariana lembrou, ainda, que o Instituto Justiça e Cidadania, que é um dos parceiros, disponibilizou espaço em sua revista mensal para que professores do programa escrevam uma coluna sobre desinformação.ParticipantesParticiparam do painel os professores Tadeu Feitosa (Universidade Federal do Ceará - UFC); Floriano de Azevedo Marques Neto (Universidade de São Paulo - USP); Juliana Marques, Martha Simone Amorim Soares e Rosana Gadelha (Universidade Estadual da Paraíba – UEP); Hernando Borges Neves Filho e Mirelle Neme Buzalaf (Universidade Estadual de Londrina - UEL); Daniel Pinheiro (Universidade do Estado de Santa Catarina – Udesc); Edgard Rebouças (Universidade Federal do Espírito Santo – Ufes); Anderson Barbosa Baptista (Universidade Federal do Tocantins – UFT). Sandra Jung de Mattos (Universidade Federal do Mato Grosso - UFMT); José Tarcísio da Silva Oliveira Filho (Universidade Federal de Roraima – UFRR); Sérgio Luiz Gadini (Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG); Nukácia Meyre Silva Araújo (Universidade Estadual do Ceará – Uece); e Rodrigo Messias de Souza (Universidade Estadual de Goiás – UEG)Leia mais:19/5/2022 - Especialistas e pesquisadores defendem educação midiática como ferramenta para combater desinformação18/5/2022 - Parceiros apresentam estratégias e ferramentas à disposição do STF para combater desinformação
19/05/2022 (00:00)
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.